quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Reuniões para a Mocidade - Conselhos


"Se você não gosta de homem, não case. Se você não gosta de mulher, não case.
Está vindo muito no nosso meio, e é bíblico. Está vindo no nosso meio, homens e mulheres que por disfunções, às vezes psicológicas, por um entrave da família, por um ataque quando era criança...por um desvio sexual de alguém dentro de casa, levou a pessoa a este caminho.
Se você está aqui, e quer salvar a tua alma, e você tem esta dificuldade: busque um médico, vá num pronto socorro, vá num posto. Se você tem plano de saúde, vá atrás. Não abra para ninguém sua situação, mas também não engane nenhuma irmãzinha, que já tivemos irmãzinha que casou com moço que não gostava de mulher e o casamento teve que acabar depois, 24h depois teve que acabar.
Ore a Deus, vá ao médico, vá ao psicólogo. Tem irmão que fala que não pode ir ao psicólogo: é mentira, vá ao psicólogo. Se você não gosta de homem, vá atrás de um psicólogo, vá descobrir, converse sobre isto com o médico. Não abra tua vida para ninguém, e se você tiver desejo de mudar de vida, ta escrito aqui, para Deus nada é impossível. Nós te respeitamos dentro da igreja, mas também respeita a igreja aqui dentro. Tem aqui irmãos de confiança que você pode chegar neles e dizer: irmão, eu tenho um problema, se o irmão ver eu passando aí do tempo, eu tenho um problema então o irmão ora para mim. Esse irmão vai ser feliz e não vai contar seu problema para ninguém, nem para a esposa dele. Então Deus vai cuidar de vocês, mas lutem..."
(Trecho extraido dos conselhos dados por ancião em uma Reunião para a Mocidade)


Uma das coisas que mais gera silêncio entre a mocidade durante uma Reunião é quando o ancião começa a falar sobre homossexualidade. Lembro-me que alguns anos atrás este assunto praticamente não era abordado nas reuniões e, quando o era, era feito de forma subjetiva e com cautela. Ultimamente os anciães estão soltando um pouco mais o verbo, falando diretamente da existência de homossexuais entre a mocidade, o que já é um avanço considerável, já que no passado a idéia de que pudesse haver gays e lésbicas na igreja era inadmissível, quando todos sabemos que eles sempre existiram. Mas parece que somente de uns tempos para cá é que o ministério tem considerado o fato de forma mais realista, e acredito eu que isto é resultado principalmente dos divórcios ocasionados por motivo de homossexualidade de um dos cônjuges, e que são tratados pelos anciães e cooperadores.

Entenda, não estamos aqui disseminando idéias que apóiam o pecado, muito menos pretende-se ir contra a Obra de Deus. Estamos apenas expondo uma situação que muitos irmãos e irmãs estão vivendo neste exato momento, e como isto tem sido tratado na nossa igreja.

Em algumas reuniões onde estive congregado, o próprio ancião citou exemplos de casamentos desfeitos porque o “irmãozinho” (geralmente) era homossexual. A partir daí, ele aconselha a mocidade, dizendo que "se houver alguém ali que não se sentisse atraído pelo sexo oposto, este deve ficar em paz e não iludir uma moça (ou moço) que quer ser feliz em um matrimônio", conselho que considero extremamente válido e original, pois eu mesmo não gostaria de me casar com alguém que fosse homo (no caso, se eu fosse hetero). Neste momento, a igreja fica em silêncio total. Alguns poucos moços arriscam fazer alguma piada com o colega do lado do tipo: “Ta ouvindo?!”, algo eu já presenciei, mas no geral não se ouve nenhum glória na igreja. Parece que naquele momento todos se tornaram suspeitos de serem gays ou lésbicas. Quem é realmente homo, faz o maior esforço possível para não dar nenhum sinal de aprovação ou reprovação das coisas que estão sendo ditas lá do púlpito, temendo que alguém “desconfie” dele ou dela. Quem é hétero, por outro lado, também fica temeroso, achando que alguém ali presente pode desconfiar dele ou dela por algum motivo banal. Fato é que, este assunto ainda é um grande taboo, e a mocidade se sente muito desconfortável quando ele é abordado. Os heteros não devem entender como pode haver homossexuais na igreja. Tudo ali parece perfeito, irmãos bonitos de terno e gravata, moças lindas e consagradas com seus cabelos cumpridos e véu. Como pode alguém ali ser homossexual? Mas, a dura realidade para muitos é que há, de fato, muitos gays e lésbicas na igreja, quer eles se relacionem com alguém do mesmo sexo quer não. Se não fosse assim, não seria necessário que os anciães abordassem o tema nas igrejas.

Também já ouvi ancião dizer em Reuniões para a Mocidade que se alguém ali tivesse algum tipo de distúrbio da sexualidade (homossexual), deveria buscar um psicólogo ou até mesmo um médico. Isto mostra o quanto o ministério da Congregação ainda está despreparado para lidar com este assunto. Considerando a hipótese de que a homossexualidade seja causada por um espírito, como muitos costumam afirmar, um médico ou psicólogo poderia expulsá-lo através de remédios ou terapias? Nesta hipótese, não caberia à igreja ajudar estes moços e moças a serem livres de tais espiritos? Ironicamente, para a medicina e para a psicologia a homossexualidade não é nem sequer uma enfermidade, mas sim um “aspecto natural do ser humano”, e não somente do ser humano, mas também de centenas de espécies de animais, onde estudos observaram que existe homossexualidade entre cães, gatos, girafas, macacos etc. Por este motivo, a psicologia não busca “reverter” a situação homossexual do individuo, mas sim o auxilia a encontrar-se dentro de si próprio, e aceitar-se como ele é. Será que os irmãos do ministério não consideram isto antes de mandar moços e moças oprimidas, muitos inclusive com pensamentos suicidas por não aceitarem sua condição homossexual (pois há um grande conflito na mente do homo, principalmente o cristão) para um psicólogo ou médico?

Outros anciães deixam alguns irmãos “solteirões” em situação desconfortável. Fazem gracejos com o fato de eles terem “passado da idade” e ainda estarem ali, nas Reuniões. Já ouvi inclusive ancião dizer que “da forma como a mocidade está fazendo, não se casando (pois se tem observado que houve uma considerável queda no número de casais que se despedem nas RM) daqui a pouco ele teria que atender Reunião para Velhos e não para Mocidade”.

Geralmente a mocidade é pressionada com passagens bíblicas que afirmam a “necessidade” de se casar. Já ouvi até ancião dizer que casamento é um mandamento. “E deixará o homem seu pai e sua mãe e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne”. Não estou questionando a Palavra. O casamento é um ato maravilhoso, e deve ser consagrado e perpetuado. A família é e sempre será a base das sociedades, sejam elas cristãs ou não. A questão é que o fato de que alguns irmãos e algumas irmãs não estarem aptos para o casamento é praticamente ignorada nas Reuniões. O próprio Apostolo Paulo disse em uma das suas cartas que “bom seria que o homem não tocasse em mulher, mas por causa da prostituição, que cada um tenha sua mulher, e a mulher seu marido”.

Antagonicamente ao que os anciães nos passam nas Reuniões, praticamente obrigando moços e moças a buscar um matrimônio, incentivando até mesmo as moças a chegarem nos moços quando eles forem “lerdos”, Paulo escreveu que o casamento não é um mandamento, mas sim uma permissão (1 Corintios 7:6), e que ele queria que todos os homens fossem como ele, ou seja, solteiros. Disse ainda que cada um deveria ficasse diante de Deus no estado em que fosse chamado (viúvo, casado, ou solteiro) e terminou dizendo: “Estás ligado à mulher? não busques separar-te. Estás livre de mulher? não busques mulher.” (verso 27). Soam um tanto surpreendentes as declarações de Paulo, principalmente na sociedade cristã na qual estamos inseridos, que vê o casamento praticamente como a única forma de alguém alcançar a felicidade, quando sabemos que há centenas e centenas de casais vivendo de aparências e infelizes.

Não se está afirmando aqui em nenhum momento que Paulo estava concordando com as práticas homossexuais. Apenas se deseja ilustrar que, à luz dos textos bíblicos, ninguém deve ser pressionado a fazer algo para ser aceito e cumprir com o protocolo da sociedade. Se casamento fosse realmente obrigatório, Jesus teria sido o primeiro a se casar, pois ele veio para ser o nosso exemplo em tudo. Paulo também teria se casado, assim como Marta, Maria e tantos outros personagens bíblicos que foram sumamente importantes para a composição das histórias e exemplos que guiam a vida de milhões e milhões de cristãos na atualidade. No entanto, vemos na igreja de hoje uma pressão terrível sobre os nossos lombos para concretizarmos algo que, muitas das vezes, não está ao nosso alcance. Por este motivo, muitos irmãos e irmãs homossexuais acabam namorando, noivando e se casando, pois parece ser a única forma de eles se enquadrarem no “padrão”. As conseqüências aparecem apenas mais tarde.

Muitas vezes a mocidade é ameaçada através da história de Sodoma e Gomorra, onde homens depravados quiseram inclusive lançar mão dos anjos que estavam na casa de Ló (interpretação mais difundida). A palavra “abominação” tornou-se sinônimo de homossexualidade, quando na verdade qualquer coisa que é má diante dos olhos de Deus é uma abominação (idolatria, promiscuidade, desobediência a pai e mãe, etc. até mesmo comer camarão e lagosta era considerado abominação no Antigo Testamento). Já ouvi até um ancião dizer em uma RM que “pecar com alguém do mesmo sexo é duas vezes mais pecado do que com alguém do sexo oposto”.

O que muitos precisam entender é que homossexualidade não é sinônimo de promiscuidade, liberação total das práticas sexuais, orgias, sexo sem compromisso, desafeto. Ser homossexual não é uma opção. A opção reside no fato de como você vai lidar com esta situação:esconder-se (mas até quando?), jogar-se no pecado (e ai entram os homossexuais promíscuos, mas muitos heteros são tão promiscuos quanto estes homos), ou viver uma vida honesta e não esconder sua orientação (e não opção) da sociedade. O problema desta última são os pré-conceitos (sim, pré-conceitos) que a sociedade tem. A simples palavra homossexual ao ser pronunciada é automaticamente relacionada as coisas mais terríveis possíveis.

Conversão não é a cura para a homossexualidade, e os irmãos e irmãs que são gays ou lésbicas sabem muito bem disto. Muitos já nasceram em lar cristão e ao começarem a sentir o despertar dos seus hormônios na adolescência notaram que algo não estava de acordo com o “padrão”. A grande maioria esconde isto por anos e anos.

7 comentários:

  1. Olá Brandon A Paz de Deus ....
    Meu nome é Caio e tenho 15 anos e faz apenas 1 ano e meio que eu me batizei na CCB...Eu amo servir ao Senhor , congregar , fazer visitas...Porém o fato de eu descobrir recentemente de ser homo tem tirado toda a minha alegria...Minha vida parece que perdeu o sentido...não sei o que fazer...Acho que não tenho força de buscar uma resposta de Deus...Não sei porque nasci com isso ...Meu sonho é ser Heterossexual e casar com uma moça e ter filhos....Sinceramente eu não sei o que fazer !!!
    ( caio - se possível responder )

    ResponderExcluir
  2. Amem!

    Você é muito jovem e tem uma vida toda pela frente. Continue congregando e no tempo certo você terá de tomar importantes decisões na sua vida. Estude, trabalhe, siga sua vida de cidadão. Não se preocupe demasiadamente com sua condição sexual neste momento, confie somente em Deus e não se apoie nas opiniões e comentários das pessoas, mesmo de pessoas do ministério da CCB que você muito preza.

    Deus abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Brandon a paz de Deus ,sou eu o Caio Novamente....
      Eu queria saber se você acha que se eu implorar muito a Deus e fazer jejum e muita oração ele pode me libertar?O que você acha?Eu queria muito saber a opinião sua sobre isso...Sinceramente é o que eu mais queria e o que eu mais desejo nesse momento e nessa idade em que estou (Agora já completei 16)...Eu nem sei o que faria e o quão feliz eu ficaria se Deus tirasse isso de mim...Enfim,queria saber o que você pensa a respeito desta minha suposição...Por favor me responda ....Aguardo respostas...

      Excluir
    2. Amem!

      Amigo, por experiência própria, e também tomando por referência tantos outros irmãozinhos eu posso te dizer que, se você é de fato homossexual, se sente atração por homens, isto vai acompanhar você pelo resto da sua vida. O que você precisa entender é que isto não é nenhuma anomalia. Isto é completamente normal e natural. Você não é nem o primeiro e nem o último a ser gay, portanto você precisa se aceitar e parar de se martirizar, pois isto só fará mal você.

      Excluir
  3. Amém...
    Deus que abençõe também pela resposta...
    Brandon eu queria saber se você acha que seria possível Deus tirar esse sentimento de mim e fazer com que eu me torne homossexual?
    o que você acha?Por favor me dê sua opinião...
    Aguardo Respostas...

    ResponderExcluir
  4. Caio,
    Existem muitos homens que reprimem a sexualidade e se casam com mulher. Posso te dizer que a maioria que faz isto vive uma vida infeliz. Não existe ex gay, existem sim gays que se enrustem e se dizem "curados" para condizerem com as normas socioreligiosas.

    ResponderExcluir
  5. Sou psicóloga e sirvo a Deus na CCB. Estudei muito sobre homossexualidade na facu, mas confesso que quando se parte para o campo religioso ainda fica uma lacuna sem resposta. Sou heterossexual, casada a 15 anos, tenho um filho de 14. Me sensibilizo muito com o sofrimento de irmãos homo, mas acredito que quando levamos em conta que Deus é misericórdia e só ele conhece o profundo do coração do homem ele compreende o quanto esse espinho dói na carne e na alma daquele que nasceu assim...ele sabe o quanto essas pessoas gostariam de poder ser diferente mas independem delas...acho que nesse campo também entrará aquela parte da palavra que naquele dias do juízo final muitos serão surpreendidos. Também penso que sendo eu errante, em carne consigo me compadecer com o sofrimento dos irmãos homossexuais...ainda mais Deus que os criou e sabe que eles não tem culpa do que são...a palavra diz que Deus não tem culpado por inocente e nem inocente por culpado. Estando eu dentro dos padrões exigidos pela sociedade e tentando me manter firme na fé também carrego na carne meus espinhos...nada muito horrendo, mas tenho fraqueza das quais não consigo me livrar, desejos que não deveria ter....como qualquer pessoa não posso realizar todos meus desejos. Já tive vontade de matar, roubar, pecar, mas renuncio a minha carne todos os dias..um dia mais outros menos e, muitos espinhos permanece, para que eu me lembre que em todos os dias serei inutil e incapaz..precisando de Deus todos os dias para vencer a mim mesmo. Tenham fé tenho certeza que quanto maior ser a renuncia e o sofrimento na guerra maior será o prêmio da vitória. vale a pena...lembrem-se vcs não são uma aberração...são crianção de Deus que merecem ser amados...que possui a prova...árdua prova, mas quem não as tem!! a paz de Deus!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário